Sábado, 12 de Janeiro de 2008

O Indizível

Nas impossibilidades a que se me sucede depor, escassas são aquelas, de tão resignada absolutez, como a condição impraticável do homem em permanecer em silêncio.

 

Diferentes índoles de silêncio atemorizam a cadência do indivíduo: o silêncio do mundo, o silêncio dos próximos, o silêncio dos eventos, da casualidade e da Fortuna – não obstante as duras provas por eles infligidas, todos eles: silêncios suportáveis (humanamente).

 

Apenas um, conheço, sem que no entanto me sinta por ele vetado ou coagido, que será praticamente inimputável à raça humana: o silêncio próprio. Que digo? Próprio? – como, se a maior centelha da colheita das reflexões se recolhe no profundo sigilo da voz ou da manifestação pessoal? A omissão da voz não abafa o insossegável espírito. Esse, conversa ininterruptamente, em ultima instância, num monólogo consigo mesmo.

 

Mesmo os mimados eremitas, forjados na teima insensata do pleno retiro das funções civis, contém e encerram em si o veneno inestancável que coagula o interior ao secreto diálogo íntimo.

 

Sob diferentes jugos e injunções, a voz impugnada, se acabrunha e cora, retirando-se aos aposentos mudos de princesa desvirginada. Ah, mas o coração petulante e excitado não se emudece, pelo contrário, nele se relegam os impropérios e lascivas volúpias, que tal boquita delicada não se atreveria a proferir. Profere-os o corpo. A alma.

 

Por isso a alienação, não é necessariamente (se não for de todo) um manifesto de inefabilidade ou falta de algo a dizer ao mundo. Como alguém escreveu:

 

“O silêncio por vezes fala mais do que o caudal de palavras.”

tags:
publicado por sofisma às 11:53
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De herewithme a 12 de Janeiro de 2008 às 11:58
Desculpa invadir sem pedir licença, mas como é falta de educação vir visitar e não comentar aqui estou eu, antes de mais quero elogiar o texto que aqui está, que está fabulosamente belo, mas na realidade o que me tocou foi a ultima frase porque eu tambem sou apologista do silencio como melhor resposta devido ao impacto que causa sobre as palavras atropeladas pelo dialogo...
BEm além de te deixar aqui os meus desejos de bom fim de semana, deixo também um convite para me ires visitar ao meu blog...


Comentar post

.Profile

.pesquisar

 

.Junho 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.Posts

. A Árvore da Vida

. Matéria

. Jonathan Livingston Seagu...

. Wasabi, a coisa verde que...

. The Beginning Is the End...

. Transcendência

. Sofrer

. My Blueberry Nights

. Desespero

. U2 - The Sweetest Thing

.Arquivos

. Junho 2011

. Novembro 2010

. Outubro 2009

. Maio 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

.tags

. ensaio(8)

. citações(7)

. crónica(6)

. apontamento(3)

. dissertação(3)

. poema(2)

. video(2)

. conto(1)

. todas as tags

.as minhas fotos

blogs SAPO

.subscrever feeds