Sábado, 10 de Outubro de 2009

Wasabi, a coisa verde que sobe directamente ao nariz

 

Dedico as próximas elucubrações a um inesquecível episódio cujas repercussões tão cedo não saberei mitigar, e que, decorre da minha estreia no subtil universo da cozinha nipónica.

 

O caso é grave meus amigos, e não fosse eu um defensor acérrimo de alguns tresvarios e ulterioridades no que concerne a gastronomia (diga-se que sou pseudo-sazonalmente-vegeteriano), e erigia aqui uma grave contenda contra um dos preparados mais explosivos e devastadores que já ingeri: Wasabi - como vim a descobrir, não por grande solicitude ou bonomia da delicada empregada japonesa que, atalhou a minha insolência de lhe perguntar o que tinha comido, com um gutural: "wasabê-aê", que, na altura sublimei mas agora após uma pesquisa vim a confirmar a sua verosimilhança.

 

Antes de mais, e como incauto provador completamente descomplexado e estreante, demonstrarei aqui o meu prisma desta experiência deveras esfusiante, descrevendo-a de forma progressiva:

 

Fui com uma amiga minha, chamada Ana, a um restaurante Japonês. Sentámo-nos e, com a parcialidade própria de um indivíduo plenamente imbuído na pluridade e multiculturalidade deste globo, pedi, como convinha, uma coca-cola (produto cuja etimologia remonta aos anais da história oriental, claro); entretano, enquanto debatíamos a inefável proeza de manejar porções de alimento com dois filetes de madeira filamentosa (para não destoar, diga-se, já que nada insinuava que o purgatório pudesse transformar-se ocidentalmente em práticas comuns de garfo e faca), chegou o primeiro (e único, pois viemos a descobrir que peixe cru enche mais do que parece) prato: (...um nome japonês inexprimível...); a comida era óptima, e, posso dizer em rigor que, tal só corroborou o meu fascínio pela delicadeza e meticulosidade orientais; contudo, (e aqui entra o temeroso wasabi), desde o começo nos foi colocada na mesa um pequeno wok de madeira, cujos elementos dispostos eram respectivamente, uma substância (que mais tarde vim a atribuír o epíteto lato de "coisa") verde e umas fatias róseas desmaiadas de um peixe, providencialmente cru.

 

Ora, um avaliador atento, que como deverão já ter induzido não é meu apanágio, apreciaria duas coisas que a mim nada disseram: por um lado, a escassa quantidade de ambos os preparados, que, estabelecendo um paralelo gatronómico poderiam pressupor tratar-se de algo extremamente concentrado e pungente, como disso são exemplo algumas bebidas espirituosas, condimentos, molhos, especiarias, etc; e, ainda, o arreigado e eclodente humor e odor por estes libertado, que, para alguém minimamente versado na arte de deglutir, deveria estar desperto para a vivacidade e potência de tais alimentos.

 

Ignorando ambas as interpretações instintivas e somáticas, eu, temerariamente, traguei, literalmente, a chamada coisa verde, mesmo depois do ensejo preliminar que já me havia alertado para a equacionável intensidade esperada.

 

Bom, meus amigos, é neste trecho deste périplo que as palavras carecem de destreza e expressividade suficiente para traduzir com propriedade aquilo que se passou. Mas, como provador, posso definir a experiência de sorver wasabi como se fosse um punhado de tremoços muito ortodoxos, como um entrecruzar de expiações físicas e psicológicas, que faz convergir a forte ardência e fogosidade de um espamo estomacal, com, o marasmo apoteótico e catártico da pimenta misturada com rabanete quando nos trepa, diriamos, para o cérebro tal é força.

 

Tudo isto é arrebatador, sem dúvida, mas, concedendo a um adágio popular, depois de recuperado descobri para meu pesar que, "a procissão ainda ia no adro"; a coisa verde é dura de digerir meus caros, e aconselho aos mais desafortunados que não possuam uma mecânica peristáltica capaz de se afastarem deste wasabi.

 

O meu objectivo, depois de refeito, é, sem dúvida, reiterar esta experiência fulgurante da comida japonesa, exlcluíndo claro, a maldita coisa verde, pelo que, tenciono muito em breve, convidar-vos, quem quer sejam, se o forem, a assumirem a posição de comensais e comparsas numa refeição nipónica em minha casa, inteiramente confeccionada por mim.

 

Um ponto prévio e irrisório: quem não gostar e no final me defraudar, levará obviamente com wasabi na feijoada que servirei no fim àqueles que considerarem, e são muitos, que a comida oriental não puxa carroça.

 

 

Wasabi (山葵) é um tempero em pasta utilizado na culinária japonesa, feito da planta Wasabia japonica sendo cultivado nos frescos planaltos de Amagi, na península de Izu, Shizuoka, Hotaka e Nagano. A Wasabia japonica pertence à família das Brassicaceae, e é conhecida também como rabanete japonês ou wasábia.

O rabanete japonês apresenta alguma semelhança com a raiz-forte (Armoracia rusticana), mas tem um sabor e aroma mais delicado.

Wasabi fresco

O rabanete japonês selvagem parece ter sido utilizado como planta medicinal e antídoto para envenenamentos por ingestão de alimentos, daí ser servido com peixe cru desde a era Nara (710-793). O termo wasabi aparece no Honzo-wamyo, 918 o mais velho dicionário botânico compilado na era Heian (794-1185), referenciando 1025 espécies de plantas japonesas.

A primeira utilização do rabanete japonês no sushi, em particular no nigiri-zushi foi inventada no período Edo tendo sido um verdadeiro sucesso, sendo generalizado a outros pratos como as massas e arroz "ochazuke". Actualmente o rabanete japonês é usado para acompanhar sushi e sashimi.

O rabanete japonês obtido da raiz fresca é chamado de "hon-wasabi" (verdadeiro rabanete japonês) diferenciando-se das outras formas de apresentação. Uma vez esfarelado ou ralado (geralmente utilizando uma madeira com uma lixa bastante grossa) o rabanete japonês apresenta um aroma e paladar que não é comparável ao dos produtos comercializados, os quais se apresentam no mercado sob a forma de pasta ou em pó (kona-wasabi), sendo preparados do pó da raiz seca já produzida na Europa Armoracia rusticana G. M. Sch. denominada por "seyo'o-wasabi"" que é bastante diferente do genuíno. Estes produtos já contêm mostarda, corantes e aditivos para se aproximar do verdadeiro wasabi.

Tubo de wasabi

Tais produtos desempenham no entanto, um importantíssimo papel, devido à raridade e dificuldade em obter o verdadeiro rabanete japonês, digamos que permitiram a massificação do consumo do sushi e sashimi no Ocidente pelo menos com um paladar e aroma aproximado ao dos pratos genuínos, o que de outra forma seria inviável.

 

in Wikipédia Online

 

 

tags:
publicado por sofisma às 10:04
link do post | comentar | favorito
4 comentários:
De reaslin a 8 de Janeiro de 2010 às 22:11
Muito obrigado, este post serviu-me em muito para o estudo da retorica para filosofia XD meus obrigados, ja agora fiquei fã do site


De sofisma a 10 de Abril de 2010 às 16:18
Ainda bem que te foi mais útil a ti do que a mim, atendo-me ao facínora: wasabi.


De Comida japonesa a 19 de Novembro de 2010 às 01:50
Oi,

Deve ser o meu picante favorito, cada vez que vou ao japonês não dispenso esse o wasabi. Até já descobri um supermercado japonês onde posso comprar e agora não falta em minha casa.


De emprestimo a 28 de Janeiro de 2011 às 18:54
Adorei o blog, conteúdo muito bem escrito, layout bacana com cores amigáveis. Vou aproveitar e adicionar o blog nos meu favoritos. bjs! Maria Cecilia


Comentar post

.Profile

.pesquisar

 

.Junho 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.Posts

. A Árvore da Vida

. Matéria

. Jonathan Livingston Seagu...

. Wasabi, a coisa verde que...

. The Beginning Is the End...

. Transcendência

. Sofrer

. My Blueberry Nights

. Desespero

. U2 - The Sweetest Thing

.Arquivos

. Junho 2011

. Novembro 2010

. Outubro 2009

. Maio 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

.tags

. ensaio(8)

. citações(7)

. crónica(6)

. apontamento(3)

. dissertação(3)

. poema(2)

. video(2)

. conto(1)

. todas as tags

.as minhas fotos

blogs SAPO

.subscrever feeds