Quinta-feira, 10 de Abril de 2008

Naufrágio

Sinto-me salutarmente só. Sou um retalho de uma qualquer equipagem destroçada na intempérie. Derivo, insone, errante. Extenuado, cedo à força da maré, rescindo a tenacidade e a vontade de me insurgir. Entrego-me ao capricho da Providência. Não espero mais nem menos do que não soube esperar…aguardo…desvegeto: docemente. Desvelo improferidas anódinas de descanso calmo. Os dias no oceano dos homens são esparsos e dilatados. Ao cabo de alguns dias de naufrágio, luz e trevas imiscuem-se numa concupiscência carnal e perdemos o fio das horas. A engrenagem mecânico-biológica que rege o siflar do tempo ensopa-se de sargaço e emperra – gira em falso. Parei no tempo, mas ele nunca o soube. Posso apenas adivinhar pelo estado degenerado e pútrido do meu semblante, que, de facto, esta ilha acontecimental deve algo ao tempo e se desenrola. No entanto, sou o episódio entre o passo desta romancista causalidade, que aguarda desenlace.

publicado por sofisma às 20:56
link do post | comentar | favorito

.Profile

.pesquisar

 

.Junho 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.Posts

. A Árvore da Vida

. Matéria

. Jonathan Livingston Seagu...

. Wasabi, a coisa verde que...

. The Beginning Is the End...

. Transcendência

. Sofrer

. My Blueberry Nights

. Desespero

. U2 - The Sweetest Thing

.Arquivos

. Junho 2011

. Novembro 2010

. Outubro 2009

. Maio 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

.tags

. ensaio(8)

. citações(7)

. crónica(6)

. apontamento(3)

. dissertação(3)

. poema(2)

. video(2)

. conto(1)

. todas as tags

.as minhas fotos

blogs SAPO

.subscrever feeds